Configuração de uma VPN com Docker


Festejar o dia Internacional da Privacidade de Dados a configurar uma VPN através do Docker.


A privacidade e a proteção de dados é um assunto que tem vindo a receber grande importância nos últimos anos, muito graças aos crimes informáticos que têm vindo a surgir e que se tornam comuns nos dias de hoje.

Do meu conhecimento, a encriptação de dados e a utilização de uma VPN (Virtual Private Network) são bastante eficazes em garantir a privacidade e a proteção de dados.


Virtual Private Network

Uma rede privada virtual bem configurada permite transferir dados de forma segura através de criptografia e outras tecnologias.

Para facilitar o processo de configuração de uma VPN decidi por utilizar um Docker container.

Definições do Wifi Eduroam

Docker permite executar máquinas virtuais de pequena dimensão, super eficientes e de elevada performance, tendo a vantagem de garantir soluções imutáveis e reutilizáveis.

Exemplo Com o Docker é possível executar uma máquina virtual como se fosse um processo do sistema operativo onde o processo tem o seu próprio kernel, sistema de ficheiros, processos, etc. (Para melhor compreensão do conceito do Docker, experimentem o emulador docker.com/tryit)


DigitalOcean + Docker + OpenVPN

Em vez de configurar um Raspberry Pi ou utilizar uma VPS e configurar um sistema operativo que fique disponível 24 horas por dia na internet, decidi criar um droplet application na DigitalOcean:


Definições do Wifi Eduroam

Definições do Wifi Eduroam


Give $10, Get $25: ficam a ganhar (e eu também) se criarem uma conta na DigitalOcean através do meu convite: digitalocean.com/?refcode=219fe204507c


Para além de ser acessível e ter uma ligação extremamente rápida, tem a vantagem de em poucos minutos ficarmos com uma máquina já preparada para usar Docker containers.

Próximo passo… configurar a imagem kylemanna/docker-openvpn.


Configuração

Após a criação do droplet na DigitalOcean, surge um email com as credenciais de acesso. É necessário verificar o IP do droplet para ser possível acede-lo pelo terminal:

ssh [email protected]

Nota No primeiro acesso ao droplet é necessário definir uma nova password de acesso.


Depois de estabelecer a conexão com sucesso ao droplet, executar as seguintes instruções na linha de comandos:


Download da imagem

docker pull kylemanna/openvpn


Inicializar a imagem

docker run --name "ovpn-data" -v /etc/openvpn busybox


Configurar a imagem com o IP do droplet

docker run --volumes-from "ovpn-data" --rm kylemanna/openvpn ovpn_genconfig -u udp://X.X.X.X


Inicializar o disco virtual da imagem

docker run --volumes-from "ovpn-data" --rm -it kylemanna/openvpn ovpn_initpki


Iniciar a imagem

docker run --volumes-from "ovpn-data" -d -p 1194:1194/udp --cap-add=NET_ADMIN kylemanna/openvpn

Neste momento o Docker tem um processo ativo. Para verificar os processos que estão a correr no momento e obter o respetivo pid, executar:

docker ps


Terminar o processo

docker stop <pid>


O próximo passo é criar clientes que possam usar a VPN:

Nota Terminar o processo antes de adicionar um novo cliente através do docker stop.


Criar um cliente por ex.: Client1

docker run --volumes-from "ovpn-data" --rm -it kylemanna/openvpn easyrsa build-client-full Client1 nopass


Download do profile por ex.: Client1

docker run --volumes-from "ovpn-data" --rm kylemanna/openvpn ovpn_getclient Client1 > Client1.ovpn

Nota O profile (*.ovpn) é criado na diretoria atual do terminal.

Iniciar novamente a imagem após a criação do(s) cliente(s):

docker run --volumes-from "ovpn-data" -d -p 1194:1194/udp --cap-add=NET_ADMIN kylemanna/openvpn


Utilização

Depois da criação dos clientes (profiles) e da execução da imagem, é possível estabelecer ligação à VPN mas…

Antes disso, é necessário fazer download do(s) profile(s) que foram criados anteriormente. A maneira mais simples será conectar ao droplet através de um cliente SFTP (SSH File Transfer Protocol), aceder à diretoria onde foram criados os profiles e fazer download para a máquina local.

Nota Por motivos de segurança, após a transferência dos profiles, será conveniente alterar as permissões da cada profile (por exemplo chmod 600 Client1.ovpn).

Com o profile, já é possível utilizar a VPN de forma muito simples.

Eu utilizo a VPN no Yosemite através da aplicação Viscosity. Inicialmente não estava a estabelecer ligação porque não era possível encontrar o dh.key. Retirei o DH Parameters do Client1.ovpn, voltei a importar o profile e ficou a funcionar.

Para iOS, uso a aplicação oficial da OpenVPN.

Para qualquer dúvida, podem deixar comentário ou contactar-me diretamente.

Abraço,

Ricardo Pereira



Comments

comments powered by Disqus